El Bolívar de Carlos Pereyra, Marx y el antiimperialismo latinoamericano

Autores: 
Andrez Kozel

Resumo

O artigo propõe uma imersão em ‘Bolívar y Washington, un paralelo imposible’ (‘Bolívar e Washington, um paralelo impossível’), de Carlos Pereyra Gómez (México, 1871-Espanha, 1942). Após oferecer uma síntese dos principais aspectos do itinerário político-intelectual de Pereyra –dividido em dois pelas alternativas da Revolução Mexicana–, o ensaio é situado em seu contexto de elaboração e de publicação. Em seguida, destacam-se os pontos fundamentais do pensamento político de Pereyra nesta etapa da sua vida, durante a qual ele se vinculou com o polígrafo e editor venezuelano Rufino Blanco Fombona. Destacam-se, especialmente, uma série de referências a Marx e ao marxismo, alguma afinidade entre as teses de Pereyra e os argumentos de Laureano Vallenilla Lanz e, ainda, tudo o que existe na obra de traço polêmico, contrário aos julgamentos históricos de Gladstone e, principalmente, do historiador alemão Gervinus. Por último, é feita uma reflexão sobre a complicada e tensa relação entre as esferas do realismo político e da moral no pensamento do escritor mexicano.