Projeto de intercâmbio envolvendo técnicos, professores e estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidad Nacional de Córdoba, através do Colégio de Aplicação e a Escuela Superior de Comercio Manuel Belgrano

Desde 1989 duas instituições federais de ensino trabalhavam com o objetivo de aproximar dois países, Brasil e Argentina. A ideia principal era superar desconfianças, divergências e construir um novo paradigma no sentido de viabilizar uma integração para além do econômico. Foi assim que estudantes e professores do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina e da Escuela Superior de Comercio Manuel Belgrano da Universidad Nacional de Córdoba/Argentina, iniciaram um processo de trocas de experiências educacionais e culturais, criando um espaço permanente para pensar a nuestra América. Nascia o “Projeto Córdoba/BR” e Projeto Brasil/AR (nome dado ao Acordo de Cooperação Acadêmico e Cultural Brasil/Argentina no país vizinho).

O Acordo de Cooperação entre as duas escolas do Brasil e Argentina tem por objetivo a troca de experiências na área científico-pedagógica, aprofundando o estreitamento de relações culturais e o senso de latino-americanidade. Em 1992, quando finalmente foi assinado, se constituiu num processo coletivo e multidisciplinar, de intercâmbio acadêmico-cultural, que objetiva a troca de experiências, o viver entre os povos de forma integrada, solidária e complementar, respeitando suas individualidades e convivendo com suas (des)semelhanças. É a integração em movimento.     

Até agora foram 22 idas e vindas, de 462 meninos e meninas, que se aproximaram e se reconheceram nas suas semelhanças, resgatando a ideia de uma identidade latino-americana. Todos os anos, um grupo permanece por dois meses no país vizinho, vivenciando experiências de morar num país diferente, de língua e cultura distintas, mas muito parecido nos seus processos de organização do trabalho e da vida. Os estudantes de um país são hospedados nas casas das famílias dos estudantes do país vizinho, convivendo diariamente com a sua rotina. Frequentam o colégio, participam das atividades dos adolescentes, vivenciam as situações políticas, econômicas e socais em cada um dos países.

Importante destacar o desenvolvimento de trabalhos de pesquisa pelos intercambistas de ambas as instituições, relacionados ao ideal do “Projeto Córdoba”. Como resultados apontamos algumas conquistas: a introdução no Ensino Fundamental e Médio das disciplinas de Língua Espanhola e Estudos Latino-Americanos, caso único nas escolas brasileiras; a participação no Instituto de Estudos Latinos Americanos / UFSC e a contribuição para a criação do curso de Geografia, na Universidade Nacional de Córdoba. Os processos integracionistas fragmentados impedem o desenvolvimento de solidariedade entre as nações. Portanto, a questão que se coloca é “Qual o tipo de integração desejamos?” A resposta não é simples, e não é neutra. Trata-se de integrar para a mudança, para uma nova América Latina.

Coordenação