Vânia Bambirra, presente

10 de Dezembro de 2015, por Elaine Tavares


“Eu queria entender o mundo, isso foi o que me levou para o marxismo”

Fotos: Rubens Lopes

Vânia Bambirra é uma das gigantes da Teoria Marxista da Dependência. Foi parte de um grupo que mudou a perspectiva do entendimento da vida da América Latina nos anos 60 e 70 do século XX. De aparência frágil, pequena e magrinha, quem a via não poderia supor a grandeza que ali se abrigava, no pensamento, no conhecimento e na vontade de viver intensamente. Mineira de nascimento ela se fez do mundo quando, durante o regime militar, foi expulsa da Universidade de Brasília, onde trabalhava com o tema da questão agrária. Depois disso entrou para a clandestinidade e aí esteve por dois anos até que fugiu para o Chile. Lá, dedicou-se a pensar as táticas revolucionárias, procurando abrir caminhos para os seus companheiros que lutavam contra a ditadura.

Filha de um trabalhador – alfaiate – comunista, desde bem pequena ela soube que ou a vida era construída em comunhão, coletivamente, ou não poderia ser boa. E foi assim que ela usou o conhecimento para apontar caminhos de partilha, buscando desvendar os terrores que o capitalismo escondia por trás de usas promessas de bem viver. 

Foi no Chile insurgente que ela produziu muitos de seus livros e depois do golpe de Pinochet embarcou para o México onde seguiu pensando e escrevendo. Tinha uma capacidade incrível de fazer teoria de um jeito que qualquer trabalhador podia entender e conseguiu capturar com competência os grandes temas do momento histórico que se vivia na América Latina. 
Vânia nunca se contentou em apenas escrever. Teve uma atuação política concreta, no mundo da vida, tendo participado da fundação da Polop (Organização Revolucionária Marxista – Política Operária) e depois, quando finalmente pode voltar ao Brasil, vinculou-se ao PDT, liderado por Leonel Brizola.

Atuando num campo marcadamente masculino, essa mulher esplendorosa constituiu uma obra seminal capaz de desvendar os segredos da dependência dos países periféricos, e brilhou com luz própria em meio a outros monstros sagrados como Teothonio dos Santos e Ruy Mauro Marini.  

Muitos de seus livros ainda não foram traduzidos ao português e o IELA buscou trazer à luz esse pensamento original e profundo, traduzindo o título “O capitalismo dependente latino-americano”, um livro fundamental para quem quer entender a dependência nesse nosso continente. Esse trabalho da Vânia faz parte da Coleção Pátria Grande e foi o segundo volume editado na coleção, justamente pelo entendimento de sua importância no campo do pensamento crítico.

Dona de uma obra marcadamente militante, Vânia sempre escreveu e atuou pensando em mudar a realidade do continente, da América Latina e do Brasil. Nesse dia 9 de dezembro, ela encantou, mas deixa plasmado em todos os seus livros esse grito revolucionário. Ela costumava dizer firmemente que o socialismo é viável e possível e que os estudos sobre a dependência, nascido no pequeno grupo de Belo Horizonte, ainda tinha grande vitalidade e capacidade de explicar as nossas mazelas.

Uma mulher como Vânia Bambirra não é do tipo que morre. Fazendo jus ao seu sobrenome, que era uma junção de bamba com birrenta (bambirra) ela se eterniza como alguém que foi capaz de criar uma grande obra, absolutamente atual e instigante.

Há dois anos fizemos uma entrevista com essa pequenina, elétrica e apaixonante pessoa. Vale a pena rever. 

Vânia Bambirra: intelectual e militante

Encontro no Iela durante o lançamento do livro da Pátria Grande
Encontro no Iela durante o lançamento do livro da Pátria Grande

Livro é uma referência para pensar a dependência
Livro é uma referência para pensar a dependência