Tropelias de Chico

14 de Março de 2017, por Dauto J. da Silveira

   


O Deputado Federal Chico Alencar, do PSOL, protagonizou na última semana uma cena comum no ambiente político parlamentar brasileiro. Depois de comparecer ao aniversário do jornalista das Organizações Globo, seu amigo de “longa data”, o blogueiro Ricardo Noblat, foi visto com tropelias, a elogiar, em forma de “ironia”, o senador tucano Aécio Neves e outros lacaios festivos. Ainda que parlamentares possam visitar jornalistas e biscateiros, de outros matizes políticos, sem que isso se torne uma ofensa aos seus eleitores, a cena gerou um grande quiprocó. Além disso, a presença de Alencar não foi bem aceita, posto que o ambiente era tomado por políticos profissionais de atuação parlamentar promíscua.    

O peso das críticas, fez com que o parlamentar fizesse um vídeo esclarecendo o que houve e pedindo desculpas aos seus fiéis eleitores. No entanto, o pedido de desculpas de Chico ocultou algo essencial: a imperativa promiscuidade do ambiente político do congresso. O congresso brasileiro é o ambiente supremo do “bom comportamento” liberal, regado a condutas de corte colonialista e prudencial, que no fundo revela o profundo desprezo pelas massas, ainda que permita uma certa rebeldia psolista aqui e acolá. É inegável, sem dúvida, o importante papel que os psolistas exercem dentro do congresso, ou ainda, a defesa implacável que fazem de temas de relevo nacional. Entretanto, essas ações inserem-se em um ambiente dominado pela promiscuidade parlamentar, regida pela educação desnecessária, enfim de comportamentos falsos sem relevância política, razão pela qual a sua têmpera política se esvai diante do dilúvio aterrorizador dos seus adversários. Não é sem razão que esses parlamentares mais à esquerda, aliás quase invisíveis no congresso, para terem vida longa tenham que aceitar a ordem do jogo democrático liberal. E, ao assim procederem, jungem-se aos opositores de toda sorte. Ainda que, como disse, prezem pela postura crítica e pelo denuncismo congressual.    

Devemos dizer ainda que o episódio ganhou tais proporções por se tratar da visita de um candidato, de considerável integridade parlamentar, dentro de uma cadeia sem grades e dentro de um país profundamente dividido. Mas a relação de prudência entre os parlamentares é algo comum e de pouquíssimo incômodo para os envolvidos. No ano passado, durante um jantar oferecido pela senadora Kátia Abreu, dias antes da votação final do impeachment, o senador Lindbergh Farias, talvez o parlamentar mais à esquerda, de um partido distante da esquerda, proferiu fortes elogios ao presidente do Senado Renam Calheiros. Ou seja, a vida politica, sob a égide da prudência e da educação tola, implica que se tenha comportamentos que satisfaçam a ordem democrática.    

Isso não significa que não possamos ter grandes parlamentares de têmpera política inquestionável. Refiro-me a figuras como o deputado federal Guerreiro Ramos, Florestan Fernandes, ou ainda o senador Darcy Ribeiro, cuja perspectiva não era a reprodução da ordem burguesa. A manutenção dessa ordem era tudo que eles não apregoavam, inclusive os seus próprios partidos sofriam com a posição imbatível que carregavam.    

Chico Alencar, seguramente, sentiu o peso da insatisfação da massa de esquerda brasileira ao ver um deputado cambalear em Brasília. As massas acabrunhadas pelo peso do trabalho estafante e mortal, como dizia Vieira Pinto, não permitem deputados instáveis, que se deixem escapar em certo flerte com o mundo explosivo do conforto parlamentar. A inserção dos despossuídos, na luta social, pede radicalidade política e ações concretas, a fim de que o congresso seja o meio e não o fim da vida política. Chico Alencar é incomparável, não há dúvidas, mas sua honestidade política, na atual conjectura, dependerá de seus relacionamentos, ainda que extra-parlamentar.