Plano Condor: A CIA não é inocente

28 de Fevereiro de 2020, por Raul Antonio Capote

A CIA não apenas sabia, ela organizou a Operação Condor
A CIA não apenas sabia, ela organizou a Operação Condor

A Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos espionou durante anos as comunicações diplomáticas e militares de centenas de países, usando máquinas de criptografia de uma empresa suíça, de propriedade da CIA e da agência de serviços secretos alemã BND. É o que revelaram os informes divulgados pelo Centro Independente do National Security Archive (NSA).

A pesquisa, publicada recentemente pelo Washington Post e pela rede pública alemã ZDF, teve um grande impacto na mídia; centenas de agências em todo o mundo ecoaram as notícias e referenciaram ou comentaram as informações desclassificadas pela NSA.

Acontece que, por décadas, a empresa suíça Crypto AG, de propriedade da CIA e do BND, vendeu e instalou milhares de máquinas de criptografia em vários países, incluindo Chile, Argentina, Brasil, Uruguai, México, Colômbia, Peru, Venezuela , Nicarágua, Espanha, Grécia, Egito, Arábia Saudita, Irã e Iraque, Indonésia e Filipinas, entre outros. As máquinas de criptografia permitiram à CIA decodificar, por exemplo, milhares de mensagens relacionadas à operação Condor; com o golpe militar de 1973 contra o governo da unidade popular no Chile; o golpe de 1976 na Argentina; o assassinato do ex-ministro das Relações Exteriores do Chile, Orlando Letelier, em Washington, em 1976; a guerra das Malvinas, e outros mais.

Segundo a NSA (Agência de Segurança Nacional), os executores da Operação Condor - um plano coordenado de extermínio, realizado por várias ditaduras latino-americanas nas décadas de 1970 e 1980, para eliminar forças de esquerda, democráticas e revolucionárias naquelas nações - foram espionados pela Agência, usando as máquinas da Crypto AG. Eles, os assassinos, criptografaram suas comunicações "sem saber que os Estados Unidos poderiam estar ouvindo". O equipamento utilizado pela «Condortel», a rede de comunicações da Operação Condor, foi fornecido pela Crypto AG, mediante acordo da CIA e dos governos repressivos envolvidos na operação Condor.

O projeto de espionagem, de acordo com o The Washington Post e o ZDF, foi conhecido pela primeira vez sob o nome de "Thesaurus" e depois como "Rubicon". O Post destaca que desde 1970 a CIA e a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) controlavam quase todos os aspectos da Crypto AG, em colaboração com o BND. A maioria da mídia que comentou ou simplesmente replicou a informação apresentou a incrível tese de que a CIA estava ciente dos crimes cometidos pelos executores da Cóndor, por meio da operação de espionagem acima mencionada. Chame-se "Thesaurus" ou "Rubicon", há aqueles que foram além na "ingenuidade" e defendem a narrativa de que "alguns oficiais da CIA" ficaram assustados com as informações que receberam sobre os horrores perpetrados pelas ditaduras militares , eles queriam denunciá-los ». 

A Agência conhecia a Operação Condor ou não? 

Os planos de repressão, antecedentes da Operação Condor, surgiram nos anos 60, na Escola das Américas e nas Conferências dos Exércitos Americanos, através das quais os Estados Unidos patrocinaram ações "preventivas" na região, como parte de inteligência e operações de guerra psicológica e cultural, realizadas sob o lema "não mais Cubas". 

Documentos desclassificados da CIA, datados de 23 de junho de 1976, divulgados pelo jornal uruguaio La República, em 29 de julho de 2007, revelam que «no início de 1974, agentes de segurança da Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e a Bolívia se reuniram em Buenos Aires para preparar ações coordenadas contra alvos subversivos".

O relatório Top Secret do National Intelligence Daily, preparado pelo diretor da CIA apenas para chefes de alto escalão da agência, acrescenta que “desde então os argentinos realizam operações contra subversivos em conjunto com chilenos e uruguaios. ». O documento, segundo a pesquisadora americana Patrice McSherry, prova que a coordenação repressiva entre as ditaduras do Cone Sul começou em 1973 e 1974, antes que as operações extraterritoriais fossem batizadas como Plano Condor em uma reunião realizada no Chile em 1975, e que a CIA esteve envolvida no planejamento e execução das ações.

A Operação Condor era um plano de inteligência projetado e coordenado pela CIA com os serviços de segurança das ditaduras militares da América Latina, para aniquilar a esquerda; juntamente com os programas Gladio e Phoenix, ele fez parte, no meio da Guerra Fria, da estratégia global dos Estados Unidos para enfrentar "o avanço do comunismo no mundo". Dos arquivos desclassificados da CIA, sabe-se que o ex-chefe da inteligência chilena, Manuel Contreras, foi convidado em 1975 para Langley, a sede da CIA, onde permaneceu por 15 dias. Após essa visita, Contreras se reuniu em 25 de novembro de 1975 com os líderes dos serviços de inteligência militar da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai. Mais tarde, o Brasil se juntou ao grupo avançado. De acordo com os "arquivos de terror" descobertos no Paraguai, a Operação Condor deixou um saldo terrível de mais de 50.000 mortos, mais de 30.000 desaparecidos e cerca de 400.000 prisioneiros.

A Gladio era uma estrutura secreta composta por militares e civis que, ligados à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e patrocinados pela Agência Central de Inteligência (CIA), que atuou na Europa desde o final da década de 1950 até outubro de 1990. Sob o pressuposto de enfrentar a ameaça de ocupação da região pelo Exército Vermelho no evento da Terceira Guerra Mundial, os exércitos secretos da Gladio na Europa, principalmente na Itália, realizaram múltiplas ações terroristas e crimes seletivos.

No atentado para assassinar, em Roma, a Bernardo Leighton, organizado pelo terrorista italiano Stefano Delle Chiaie, membro da Operação Gladio, foi o terrorista de origem cubana Orlando Bosch Ávila, envolvido com Luis Posada Carriles no crime de Barbados, que desencadeou a metralhadora que feriu gravemente Bernardo Leighton e sua esposa.

Phoenix também era um programa altamente secreto, desenvolvido em 1967 pela CIA no Vietnã, a fim de "neutralizar" a infraestrutura vietcongue, matando civis do sul do Vietnã suspeitos de apoiar combatentes do norte e do Vietcongue.

O então diretor da CIA, William Colby, admitiu em 1976 que as operações da Phoenix mataram mais de 20.000 pessoas entre 1967 e 1972. O assassinato de My Lai foi apenas mais uma operação desse programa.

Os métodos e técnicas de Phoenix foram utilizados na Operação Condor.

Logo, a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos não se inteirou do  Plano Condor por espionagem; a empresa organizou, planejou, aconselhou e participou da execução das ações do macabro plano de extermínio, é responsável por crimes contra a humanidade, crimes pelos quais deveria comparecer perante os tribunais, mas goza de impunidade. De qualquer forma, ela não pode escapar do julgamento da história, que já a julga e a condena.

Algumas das principais ações relacionadas ao Plano Condor

. Em Buenos Aires, o general do exército chileno Carlos Prats e sua esposa Sofia Cuthbert foram mortos por uma bomba ativada remotamente.

. Oficiais do exército uruguaio viajaram secretamente para Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, e sequestraram alguns militantes da oposição política uruguaia, Universindo Rodríguez Díaz e Lilian Celiberti, junto com seus dois filhos, Camilo e Francesca, oito e três anos, respectivamente.

. Orlando Letelier, ex-ministro do governo de Salvador Allende, foi morto por uma explosão de um carro-bomba em Washington. Seu assistente, Ronni Moffitt, cidadão dos EUA, também morreu na explosão.

. Seqüestro e desaparecimento do casal Zaffaroni, na Argentina.