O declínio lávico do mundo fóssil? Breve nota à luz da pandemia

4 de Maio de 2020, por IELA


Texto produzido pelo grupo Geopolítica y Bienes Comunes

"Quanto tempo durará a quarentena? Eu responderei pessoalmente a essa pergunta: a quarentena nunca será levantada ". Pedro Cahn, membro da comissão de especialistas que assessora o Presidente da Argentina, em um relatório.

Os séculos, como uma amiga disse com piada e não menos razão, começam e terminam quando Hobsbawm decide, e foi certamente o admirável historiador inglês que fundou que o "curto século XX" culminou no colapso da União Soviética em 1989. Em seu livro El Siglo, Alain Badiou olhou para o passado em busca de seu tempo subjetivo - em sintonia com sua trajetória maoísta - e garantiu que nosso século anterior fosse caracterizado por uma paixão pelo real.

Obviamente, não sabemos quando um século começa ou termina objetivamente ou o que motiva seu pulso subjetivo, mas nada nos impede de vislumbrar que estamos passando pela experiência de um perigo que exigia a ativação de um freio de emergência contra uma ação natural e que ele permanecerá, reviverá, quando o tempo acabar. O que ganhou visibilidade global com os incêndios no Brasil e na Austrália, esse mesmo incêndio, parece ter se tornado carne, tornou-se uma experiência subjetiva, agora evidente no colapso, uma objetividade que banhou nossa caminhada imaginária com a realidade.

Assumimos que nada será o mesmo? Talvez quando tudo acontecer, o esquecimento virá, se uma cura rápida aparecer, a euforia da técnica fará sua lição de casa, não faltará o impulso de retornar ao frenesi atual, mas as novas visibilidades e a marca de hoje se tornarão indeléveis: como um trauma alarmado de proximidade contagiosa e humanidade morta. É apressado escrever isso? Certamente, mas há algo que já aconteceu. A ideia de Fitzgerald de que as vidas são finalmente um processo de demolição é muito famosa, mas a maneira de perceber essa queda tem variações: "um segundo ocorre quase sem você perceber, mas na verdade é subitamente percebido". Um belo dia, você percebe que nunca será o que era. 

Mas que experiência é essa pela qual passamos? Existem muitos e não sabemos, se há chances de aproximar dos sentidos. Gostamos de pensar na era do antropoceno ou, melhor dizendo, do capitaloceno - os últimos trezentos anos em que a humanidade se tornou uma força geológica capaz de perturbar a vida do planeta, toda a biosfera - por meio de energia. Dessa maneira, a história ocidental tem uma clivagem central na crise do século XIV, quando a população europeia foi dizimada devido à peste negra.

Isso não é explicado apenas porque, desde o século X, houve um crescimento na intensidade das trocas com o mundo oriental de onde o mal viaja, mas sim devido ao esgotamento das melhorias técnicas que facilitaram o aumento da produtividade da terra e a escassez de terras melhores devido à simples lei dos retornos decrescentes: desde o ano 900 a incorporação de terras sempre começou com as melhores, as rotações passaram a ser aquelas que se seguiam em qualidade (é assim que o território holandês avança e nasce incrível em torno da água), mas em 1300 a terra disponível não é mais suficiente para alimentar saudavelmente a população que cresce há 400 anos. Em outras palavras: a capacidade de transformar energia solar em energia calórica para o corpo humano é reduzida - a comida simples, ilustrada pela fome de 1315-17 - em quantidades suficientes para a população que existe, que fica doente em massa.

Agora, os combustíveis fósseis estão sujeitos à lei completa dos retornos decrescentes: a extração convencional não aumentou desde 2005, nada mais é descoberto do que o que é consumido, os novos depósitos "extremos" - sejam fracking ou pré-sal - são menos produtivo, com maiores perigos socioecológicos, mais imprevisível, mais caro e exige cada vez mais energia para obter a energia que eles fornecem (além do fato de que o petróleo, mais que o gás e o carvão, serve a muitas coisas que sustentam o resto e toda complexidade social).

Quase em qualquer um dos cenários que podem vir ou já ultrapassamos o pico do petróleo ou estamos no topo da montanha-russa, prontos para nos lançar, por isso é comum falar que vivemos na era da "grande aceleração". Se a analogia fosse válida, assim como estamos prontos para atingir os 2 graus que desencadeiam a impressão climática da segurança perigosa, entramos nos "2 graus fósseis". No gráfico a seguir, em qualquer um dos cenários, austero ou ambicioso, a queima de hidrocarbonetos inicia seu declínio caótico: 


 

É evidente que nos últimos trezentos anos do capitaloceno, vivemos um "oásis de energia", no qual queimamos a energia solar acumulada na matéria fóssil ao longo de milhões de anos. Ressalta-se também que nunca houve transições de energia de um combustível para outro (do carvão para o petróleo e hoje para o gás), o que existiu foram “adições”, já que consumimos muito mais carvão atualmente do que a Inglaterra do século XIX, que viu nascer o nosso modo de organização social econômica.

A questão nem termina aqui, porque o impulso de energia é responsável por 70% das emissões de gases de efeito estufa e, portanto, é a fonte mãe das mudanças ambientais globais, uma verdadeira locomotiva que nos condena a uma potencial extinção autoinfligida na região e no futuro próximo. Sabemos que ao que tudo indica, no momento, as energias renováveis não serão a energia de um mundo atormentado por aviões, navios e automóveis, nada indica que eles possam estar considerando o “pico do petróleo” e suas limitações técnicas.

Esse petróleo teve preços negativos e vimos a estranha imagem de milhares de navios carregados espalhados pelos oceanos porque não havia lugar para armazená-lo, como uma espécie de atraso no final da produção, é um fato estranho, mas certamente temporário. Os problemas são menos as oscilações de preços do que com evidências de bobagens. É óbvio que o problema não é o de aliviar a pobreza, mas entender a riqueza desnecessária e mal distribuída: a Argentina, sendo quarenta milhões, pode alimentar sua população mais de 10 vezes, e ainda assim a pobreza e a miséria estão aumentando. O problema não é a pobreza energética, mas quem domina e para que energia é usada: a Empresa de Minérios Alumbrera  produz um ouro que a Argentina consome tanta eletricidade para extraí-la quanto toda a província de Catamarca (tudo isso sem mencionar o desastre ambiental que isto acarreta).

Mas, além de tudo isso, o que se tornou visível é o vazio desse produtivismo baseado no petróleo que suporta nossa sociedade complexa e a raiz da mais-valia relativa, da roda mecânica e da estrutura comercial petrodependente que sustenta o mundo girando como um pião irracional. Quase nada de todo esse produtivismo termina onde deveria e, finalmente, é possível ver a causa deste problema, vislumbrando alternativas necessárias. Dentro da tragédia, é bom ver que, se as pessoas estiverem razoavelmente preocupadas com seus meios de subsistência, como agora, este mundo entrará em colapso. O livro Climate Leviathan foi um presságio de nossa realidade: ou se sobressai um certo caos de "forças destrutivas" e segue "como sempre", ou um estado forte guiaria o curso – onde apenas a China pode ser capaz de algo assim - ou ainda a sociedade civil organizada ativa novas formas de resistência e resiliência.

Em seguida, abre-se uma oportunidade, talvez até em curso, não muito para ver se, em termos econômicos, graças as rendas potenciais, é conveniente dedicar a espremer o pouco de óleo que resta ou se o novo paradigma energético poderia ser mais rentável, também em termos de tecnologia e futuro, aumentando o público, mudando as bases sobre as quais nosso modelo de desenvolvimento cultural se arrima, porque existe uma escala de prioridades e seus significados também estão na ordem do dia. É sintomático que o mundo inteiro esteja falando sobre a necessidade de um novo pacto, o Green New Deal entre eles.

Obviamente, segue-se uma crise econômica que será difícil de navegar, mas é necessário continuar alimentando uma hiperprodutividade que sustenta a concentração econômica e nos desvia do futuro? O neoliberalismo e o progressismo, mesmo com suas melhores razões e intenções, não compartilharam que as soluções vieram junto com a "necessidade econômica"? Não é hora de fornecer respostas políticas, aprimorando o bom senso público e a força da sociedade civil? Não é hora de eliminar todo o consumo supérfluo para combinar justiça social e justiça ambiental e, assim, alcançar o bem-estar de todos? De fato, Benjamin disse que era menos uma questão de entrar na locomotiva da história do que ativar o freio de emergência, e tudo parece indicar que nosso século já começou, ou talvez comece, quando isso acontecer.

GYBC - Grupo de Estudios en Geopolítica y Bienes Comunes 
Site - http://geopolcomunes.org/nosotros/
Tradução – Elaine Santos