Colômbia - Uribe recebe ordem de prisão domiciliar

5 de Agosto de 2020, por Elaine Tavares


A Corte Suprema de Justiça da Colômbia provocou uma sacudida geral na política do país ao determinar ontem, por unanimidade,  a prisão domiciliar do ex-presidente e senador da República, Álvaro Uribe. Ele está sendo investigado por fraude processual e suborno e segundo a corte, sua liberdade pode representar risco de obstrução da justiça. Essa é a primeira vez na história que um ex-presidente passa por essa situação. 

A comissão extraordinária da Corte Suprema, composta por cinco dos seis magistrados da Sala de Instrução, chegou à conclusão de que Uribe manipulou testemunhas sobre um caso judicial que teve sua origem em 2012. Foi quando Iván Cepeda, senador do Polo, apresentou testemunho de alguns ex-paramilitares que denunciaram ações paramilitares na fazenda de Guacharacas, em Antioquia, que era de propriedade da família Uribe.  

A denúncia de Cepeda – antigo e sistemático adversário - fez com que Uribe também se movimentasse no tabuleiro e ele foi à Corte Suprema,  denunciando o senador do Polo por abuso da função pública. 

Em 2014 os dois – atuando como senadores - voltaram a se enfrentar por conta das negociações de paz com as FARC. Cepeda mais uma vez denunciou Uribe por ações com os paramilitares e Uribe entrou com novas testemunhas junto a Corte Suprema contra o senador Cepeda. 

Em 2018 a decisão da Corte Suprema sobre o caso foi a de arquivar as denúncias contra o senador do Polo e abrir uma investigação contra o senador Álvaro Uribe, entendendo que ele havia manipulado as testemunhas que apresentou contra seu adversário. Foi uma reviravolta digna de filme de ação, isto porque Uribe, além de sua denunciada ligação com os paramilitares também é acusado de ser uma das forças do narcotráfico. Assim, o que parecia ser mais uma das intermináveis quedas de braço entre Cepeda e Uribe, tornou-se verdadeiramente um caso contra o ex-presidente, com consequências que ninguém imaginaria. 

Segundo informações que constam do processo a Corte acabou tomando conhecimento de que o advogado de Uribe, Diego Cadena, teria atuado no sentido de reverter os testemunhos que haviam sido prestados dando conta da ação paramilitar na fazenda do ex-presidente, garantindo, inclusive, pagamento em espécie para que as testemunhas mudassem o depoimento. Isso foi comprovado através de uma gravação feita por um dos acusadores que foi procurado pelo advogado quando cumpria pena no presídio de La Picota. 

O processo contra Uribe correu e ele mesmo foi obrigado a depor no dia 8 de outubro de 2019, dia em que houve até manifestações nas ruas do país, contra e a favor de Uribe. Nunca é demais lembrar que ele se elegeu senador com a maior votação da história do país, portanto, mantém uma base bastante expressiva. Além disso, ele é um verdadeiro barão da política, considerado intocável.

Depois desse depoimento ficou-se a espera da decisão que só saiu agora com a bombástica notícia da prisão domiciliar. Também foram investigados os advogados de Uribe, Diego Cadena e Juan José Salazar, e ambos igualmente estão com prisão domiciliar decretada.

O presidente da Colômbia, Ivan Duque, se manifestou em favor de seu mentor político, dizendo que seguramente se chegará à conclusão de que ele nada tem a ver com ações paramilitares. Toda a elite política do país, vinculada a direita, obviamente tem saído na defesa de Uribe, alegando que ele é “um prócer da luta pela democracia na Colômbia”. 

Já Uribe recebeu a notícia com fleuma, dizendo apenas que está muito triste com a decisão que de certa forma atinge todos os colombianos que acreditam que ele tenha feito algo bom pela pátria. 

Os analistas locais acreditam que essa decisão vai acentuar ainda mais a batalha entre os uribistas e antiuribistas, podendo inclusive trazer mais mortes a partir da mão armada dos paramilitares, mas por outro lado pode também trazer algum benefício, já que a população recebe o recado de que ninguém é imune à ação da justiça. 

Ainda assim, muita água vai rolar por baixo dessa ponte e, mesmo em casa, Uribe vai agir. Não é a última cartada. A tranquilidade do ex-presidente mostra que a batalha não chegou ao final. O poder do “baronete” não deve ser subestimado. A Colômbia seguirá sangrando. 

 

NE - Com informações dos jornais colombianos