Biblioteca do Instituto de Estudos Latino-Americanos

A Biblioteca do IELA foi se formando aos poucos, na medida em que o Instituto cresceu. No começo, quando ainda éramos o Observatório Latino-Americano (OLA) os livros foram chegando amealhados das viagens feitas pelos membros do Instituto aos países irmãos. Depois, cada projeto de pesquisa e extensão foi igualmente agregando títulos, oferecendo uma bibliografia diferenciada aos alunos vinculados. Quando já transformado em Instituto, o IELA saiu da pequena sala no Departamento de Serviço Social para a sede inaugurada em 2010, a proposta de uma biblioteca especializada em América Latina já estava consolidada. Tanto que no novo espaço já havia sido reservada uma sala ampla para abrigar o acervo.

Em 2012 uma importante doação veio agigantar o acervo. O professor da Universidade Federal do Rio de janeiro, Carlos Lessa, ofereceu ao IELA toda sua biblioteca latino-americana constituída em mais de 50 anos de estudo. Foi um reforço de peso, com livros raros e autores seminais no trato de temas importantes sobre a realidade do continente.

Em 2015, quando todo o material já estava catalogado e arrumado nas estantes, a equipe de trabalhadores do IELA resolveu dar um nome à biblioteca, que pudesse expressar os objetivos desse espaço. E assim, o nome de Simón Rodríguez foi o primeiro a aparecer. Primeiro a pensar sistematicamente uma educação original e originária, específica para o povo latino-americano, Rodríguez, de maneira pioneira orientou a bússola que também dirige o IELA: ou inventamos, ou erramos! Ser original, pensar desde o espaço latino-americano, atuar no campo do pensamento crítico.

Hoje, a Biblioteca Latino-Americana Simón Rodríguez está disponível não apenas aos alunos que atuam nos projetos, mas a toda comunidade.

Findava o século 18 quando nesse continente dominado pela ocupação espanhola uma voz solitária propõe outra forma de educar as crianças, para além do simplesmente escrever o nome e soletrar algumas palavras. Era o jovem Simón Rodríguez, professor numa pequena escola da cidade de Caracas, Venezuela.